Preso dos EUA escolherá entre cadeira elétrica e fuzilamento

Apena de morte é uma pena legal nos Estados Unidos, atualmente usada por 29 estados, sendo bastante discutida entre membros dos Direitos Humanos. Os EUA e Japão são as únicas nações desenvolvidas que aplicam a pena regularmente e estão entres os 54 países a desenvolver a injeção letal como método de execução, que já foi adotado por outros cinco países. As Filipinas, Guatemala, China, Tailândia e Vietnã também usam esse método. 

Contrariando a mídia e aos críticos, o Estado de Carolina do Sul, sancionou uma lei que obriga condenados à morte a escolherem entre cadeira elétrica e pelotão de fuzilamento depois de ficar mais de 10 anos sem executar presos por falta de drogas necessárias para aplicar injeção letal.

Com a nova lei, a cadeira elétrica passa a ser a primeira opção para um prisioneiro no corredor da morte quando não há a opção de injeção letal. 

“As famílias e entes queridos das vítimas têm o direito de chorar e buscar justiça por meio da lei. Agora podemos fazer isso”, afirmou Henry McMaster, governador do estado, ao anunciar que havia assinado a lei, em seu twitter. 

Esses métodos de execução que anteriormente foram substituídos por injeção letal, que é considerada mais humana, e isso torna a Carolina do Sul o único estado que volta aos métodos de execução menos humanos. 

Dois dos três presos que estão no corredor da morte entraram com uma ação na segunda-feira (17) para impedir qualquer tentativa de fazê-los enfrentar a cadeira elétrica ou um pelotão de fuzilamento.

DOL.

WhatsApp CEF (45)99102-5516 – Canal direto com nossa redação – Envie sua solicitação e a nossa equipe irá atender você.

Participe do grupo do Portal Catanduvas em Foco no WhatsApp e receba todas as notícias em primeira mão no seu celular, para participar é muito fácil, entre em contato com o CEF através do nosso WhatsApp (45)99102-5516 e envie a mensagem, QUERO PARTICIPAR DO GRUPO, em poucos minutos você estará recebendo todas as notícias com exclusividade em seu celular.