PC quer saber por que Ecovia não interditou BR 277 por falta de visibilidade

O delegado Fábio Machado, do Distrito Policial de São José dos Pinhais, que comanda as investigações sobre o acidente da BR-277 que matou oito pessoas, na noite de domingo (2), quer saber o motivo de a concessionária Ecovia, responsável pelo trecho, não interditou a rodovia devido a falta de visibilidade. “Vamos ouvir os representantes da concessionária que administra a rodovia para que também eles possam nos explicar por que no dia não havia batedores, já que a visibilidade estava muito baixa no local. Explicar para a gente porque eles não fecharam a rodovia para evitar esse tipo de acidente, como aconteceu ontem, por exemplo”, disse, em entrevista à Banda B.

A BR-277 foi interditada pela concessionária Ecovia e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) por cerca de três horas, no km 74 entre às 3h40 e às 6h55 desta terça-feira (4) devido a presença de fumaça e a falta da visibilidade também por causa da neblina. O fechamento aconteceu dois dias depois do acidente que matou oito pessoas.

Para a Banda B, o delegado afirmou que a concessionária é responsável por oferecer segurança ao usuário. “Por que essas providências não foram tomadas para evitar o acidente, já que a concessionária assume o risco do seu empreendimento de forma objetiva de não ocorrência desse tipo de resultado. “Quem trafega na rodovia, os usuários dessa rodovia têm direito de saber quais são as dificuldades que eles vão encontrar no trecho. Esse tipo de comportamento a gente tem que coibir para que outras pessoas não sejam vítimas nas nossas rodovias, como aconteceu nesse domingo”, completou Fabio Machado, em entrevista.

As apurações na delegacia continuam nessa terça-feira (4) por meio de depoimento de familiares, vítimas que sobreviveram, equipes de socorro e até mesmo policiais que chegaram logo após o acidente. “Deveria ter acontecido um cuidado maior por parte da concessionária, e está sendo investigado se isso foi a principal causa do acidente. O fato é que temos que analisar as condutas de todos os envolvidos para que possamos indicar se houve responsabilidade criminal, até então não temos indício por parte dos envolvidos”, garante o delegado para a Banda B.

Caminhoneiro
O depoimento do caminhoneiro aconteceu de maneira formal na manhã desta terça-feira (4). “Ele compareceu aqui hoje com seu advogado e o depoimento dele veio ratificar aquilo que a gente já tinha nos autos. Ele disse que vinha conduzindo seu veículo de maneira regular, abaixo da velocidade permitida, tomando as precauções devidas, quando, de repente, fechou completamente a visibilidade, não tinha ninguém da rodovia sinalizando, não tinha nenhum batedor da rodovia indicando que ali era um ponto de visibilidade, ele tentou evitar o acidente, desviou para o acostamento para não atingir os carros e, infelizmente, atingiu as pessoas que estavam no acostamento e também não tinham como ver que um caminhão se aproximada. Conversamos com pessoas que estavam na cena e a visibilidade era não mais que dois metros”, descreveu o delegado de São José dos Pinhais à Banda B.

O tacógrafo do caminhão foi apreendido pelo Instituto de Criminalística. O delegado espera ainda ter acesso a laudos periciais que contenham as condições de tempo e visibilidade do veículo no momento do acidente para anexar no inquérito.

Ainda bastante transtornado, o caminhoneiro se emocionou ao lembrar da cena que encontrou. “Ele está muito abalado psicologicamente, está tendo atendimento de profissionais especializados na área justamente para tentar ajudá-lo a superar esse momento de dificuldade. Repito, ele foi vítima como todas as pessoas que estavam naquele local. Durante o depoimento, ele se emocionou ao lembrar do que viu no local, uma cena horrível”, contou o delegado.

O caminhoneiro tinha carregado o caminhão na sexta-feira (31), passou o fim de semana com a família e havia saído de casa, no bairro Cajuru, na noite de domingo, em direção a São Paulo. “Não estava cansado, não estava com sono, nem embriagado como foi constatado com o teste etilométrico. Vamos continuar ouvindo as pessoas, mas pelo que temos nos autos não há qualquer indício que esse homem cometeu um crime”, finalizou o delegado Fabio Machado.

Acidente
O gravíssimo acidente aconteceu por volta das 22h30 deste domingo (2), no quilômetro 77 da BR-277. Entre os veículos – um caminhão, cinco motocicletas, 15 carros e uma viatura da Polícia Militar (PM). Cerca de dez ambulâncias foram acionadas. Ao todo, foram 22 feridos no local e oito mortes.
Banda B